Facebook Ajuda a Rentabilizar Livestreams

Facebook Livestreams

Facebook Ajuda a Rentabilizar Livestreams

Com o mundo em casa, todas as salas de espectáculos e eventos encerrados ou cancelados, os artistas de todos os géneros musicais viraram-se para o livestream. O público agradeceu, mas sem fontes de rendimento será possível os artistas manterem a oferta gratuita do seu talento? O Facebook quer ajudar e vai permitir que os livestreams sejam cobrados. Um pequeno passo para o gigante da tecnologia, um grande passo para os artistas.

 

Numa notícia de 24 de Abril, que podem ler na íntegra aqui, o Facebook anunciou, entre muitas outras coisas, que será possível aos criadores de conteúdo marcar eventos apenas online e integrar este anúncio com o livestream na plataforma. O acesso a estes eventos pode ser pago com as páginas a cobrar pelo acesso. Apesar de não ter dado uma data específica para a implementação desta nova funcionalidade, o Facebook afirmou que seria nas próximas semanas.

Esta é apenas uma das muitas novidades da plataforma, que se segue a outras notícias de monetização futura também no Instagram, rede que também pertence ao Facebook.

O que fica no ar é se as pessoas vão, face à actual oferta gigantesca de livestreams,  aderir a uma modalidade paga. No entanto se funcionar abre-se uma janela de sustentabilidade para artistas e criadores de conteúdo de todo o mundo que estão actualmente privados da sua maior fonte de rendimentos – os espectáculos.

Queres saber mais novidades? Vê este vídeo.

 

About the Author /

sonia.silvestre@gmail.com

Editora, de 2000 a 2011, da revista Dance Club. Durante mais de uma década escreveu e entrevistou muitos DJs e produtores de todos os géneros musicais, de Carl Cox, Erick Morillo, Todd Terry, David Guetta, a Dubfire, entre muitos outros. Escreveu para outras revistas e publicações, como a inglesa Musik. Em 2008 foi convidada para moderar o único painel sobre a cena electrónica portuguesa no Amsterdam Dance Event, o Focus On Portugal. Integrou a WDB Management, onde exerceu como Brand Manager até ao final de 2018. Durante este tempo participou na gestão de carreiras dos artistas no que toca à comunicação, promoção, gestão de patrocínios e a relação com as editoras. Fez parte da equipa em eventos como: a One Last Tour dos Swedish House Mafia em Lisboa; as duas datas do I Am Hardwell em Lisboa; o Mega Hits Kings Fest; e o RFM Somnii, de 2012 a 2018, entre outros. Em 2019 começou a trabalhar directamente com os artistas e é Manager dos No Maka.