Instagram Pretende Monetizar Livestreams

Instagram estuda monetização dos seus livestreams

Instagram Pretende Monetizar Livestreams

Na era do isolamento social, o Instagram tem sido uma das plataformas preferidas para os livestreams, com milhares de pessoas ligadas todos os dias. No entanto, não é ainda possível rentabilizar estes conteúdos na plataforma, algo que parece mudar em breve.

Todas as noites Bruno Nogueira junta largos milhares de pessoas no seu Instagram, partilhando a conversa com outras figuras públicas que dão o seu tempo, talento e humor. Tal como ele, milhares de DJs, cantores e artistas usam o Instagram para oferecer música aos seus seguidores, contudo o Instagram não tem formatos de monetização, ao contrário de plataformas como o YouTube ou o Twitch. Por este motivo, Neer Sharma, co-criador do jogo HaikuJam, deu uma série de ideias  ao Instagram através do seu Twitter.

Quer sejam opções de vender merchandising enquanto se vê um live; meet & greet pago através da função “Go Live” do Instagram; dicas e presentes virtuais e um modo VIP para fãs que paguem com comentários em destaque, como existe noutras plataformas, foram algumas das sugestões de Sharma.

Acima de tudo, a boa notícia veio das mais altas patentes do Instagram, com Vishal Shah, Vice Presidente a lançar um tweet a confirmar que já estavam a analisar algumas das sugestões. Também Adam Mosseri, o Head do Instagram a afirmar que “Estamos a trabalhar em alguns planos para apoiar o trabalho de criadores e artistas que usam o live. Fiquem atentos”.

 

About the Author /

sonia.silvestre@gmail.com

Editora, de 2000 a 2011, da revista Dance Club. Durante mais de uma década escreveu e entrevistou muitos DJs e produtores de todos os géneros musicais, de Carl Cox, Erick Morillo, Todd Terry, David Guetta, a Dubfire, entre muitos outros. Escreveu para outras revistas e publicações, como a inglesa Musik. Em 2008 foi convidada para moderar o único painel sobre a cena electrónica portuguesa no Amsterdam Dance Event, o Focus On Portugal. Integrou a WDB Management, onde exerceu como Brand Manager até ao final de 2018. Durante este tempo participou na gestão de carreiras dos artistas no que toca à comunicação, promoção, gestão de patrocínios e a relação com as editoras. Fez parte da equipa em eventos como: a One Last Tour dos Swedish House Mafia em Lisboa; as duas datas do I Am Hardwell em Lisboa; o Mega Hits Kings Fest; e o RFM Somnii, de 2012 a 2018, entre outros. Em 2019 começou a trabalhar directamente com os artistas e é Manager dos No Maka.