Videoclips: 6 Alternativas de Baixo Custo

videoclips alternativas de baixo custo

Videoclips: 6 Alternativas de Baixo Custo

Numa altura em que não são permitidas aglomerações de pessoas a gravação de videoclips fica comprometida mas, enquanto isso, é preciso lançar música e aproveitar a oportunidade já que a pop mundial está, em geral, a adiar os lançamentos para poder marcar as tours de verão. Além disto, nem sempre é possível investir num videoclip mas é indispensável ter um para promover a música. Neste artigo deixamos seis sugestões de alternativas para videoclips durante este tempo que são igualmente úteis quando não tem orçamento.

 

  1. Actuação Ao Vivo

Em primeiro lugar, se têm imagens vossas a tocar, numa festa ou evento, podem editá-las com o vosso novo tema. Se fica monótono, grava imagens para inserts e monta com as imagens que tens. Desta forma consegue-se um vídeo com um custo muito baixo e é possível fazer um videoclip para usar nas várias plataformas. 

  1. Vlog ou Conteúdo Original

Em segunda opção, podes criar vídeo em forma de vlog, ou qualquer conteúdo original (o teu gato, a prima a dançar, etc), e colocar o tema. Assim ficam com videoclip sem grande dificuldade de execução e que serve para ilustrar o tema nas plataformas. 

  1. Lyric Video

Em terceiro lugar e para temas com vocal, o lyric video é sempre uma boa opção e boa prática. Há lyric videos apenas com a letra a passar e há outros, mais originais, em que conteúdo vídeo é cruzado com animação da letra e permite ser mais original e interessante. 

Podem ver exemplos aqui e aqui. 

  1. Comprar vídeo de stock footage ou a um criador

Como quarta opção, procura criadores de vídeo, pergunta se têm imagens como as que idealizaste para o videoclip, combina um preço. Em alternativa, se o tema é chill out ou funciona bem com imagens de natureza ou simplesmente imagens genéricas (de fumo, de cores, de líquidos, etc) pesquisa em bancos de vídeo como o Shutterstock ou outros, existe tanto vídeo gratuito como pago em bancos de imagens/vídeo, basta pesquisar.

  1. Gravar Imagens e Editar

Em quinto lugar, com os telemóveis que temos hoje, ou com câmaras fotográficas é possível recolher muito boa qualidade de vídeo. Podes fazer um plano e filmar diversas situações que façam sentido para ilustrar o videoclip. Com um tempo de vídeo recolhido entregam-se as imagens a um editor de vídeo que as edite e monte. 

  1. Ceder a Música a um Canal com grande audiência

Por último, uma opção diferente mas com grande potencialidade! Neste caso, é possível que tenham que ceder a monetização do tema, mas em termos de promoção pode ser uma oportunidade de exposição ímpar. Noutras palavras, a vossa música vai ser apresentada a milhares ou milhões de pessoas que provavelmente não a conheciam num formato a que essa audiência está habituada. 

Como exemplo, o canal MadFit tem mais de dois milhões de subscritores, e tem uma playlist com exercícios baseada em canções únicas, podem ver aqui. Este é apenas um exemplo, a ideia é procurar canais de vloggers ou criadores de conteúdo que queiram usar a vossa música num dos conteúdos deles.  

Em conclusão, não há razão para deixar de editar música! Aproveita a quarentena, inspira-te e venha lá essa criatividade audiovisual!

About the Author /

sonia.silvestre@gmail.com

Editora, de 2000 a 2011, da revista Dance Club. Durante mais de uma década escreveu e entrevistou muitos DJs e produtores de todos os géneros musicais, de Carl Cox, Erick Morillo, Todd Terry, David Guetta, a Dubfire, entre muitos outros. Escreveu para outras revistas e publicações, como a inglesa Musik. Em 2008 foi convidada para moderar o único painel sobre a cena electrónica portuguesa no Amsterdam Dance Event, o Focus On Portugal. Integrou a WDB Management, onde exerceu como Brand Manager até ao final de 2018. Durante este tempo participou na gestão de carreiras dos artistas no que toca à comunicação, promoção, gestão de patrocínios e a relação com as editoras. Fez parte da equipa em eventos como: a One Last Tour dos Swedish House Mafia em Lisboa; as duas datas do I Am Hardwell em Lisboa; o Mega Hits Kings Fest; e o RFM Somnii, de 2012 a 2018, entre outros. Em 2019 começou a trabalhar directamente com os artistas e é Manager dos No Maka.